• terça-feira , 25 abril 2017

TJRN inicia hoje audiências criminais por videoconferência

O Tribunal de Justiça do RN implanta hoje (5), na comarca de Nísia Floresta, o projeto piloto de videoconferências em audiências criminais. O sistema vai funcionar interligando o fórum da comarca à Penitenciária de Alcaçuz, maior unidade prisional do RN. Está prevista a realização de 20 audiências, presididas pela juíza Nivalda Toquarto, com início a partir das 8h30. Segundo a pauta, os trabalhos devem se estender até às 15h. O projeto visa melhorar a prestação jurisdicional, considerando o índice de audiências criminais que deixam de ser realizadas por ausência dos réus presos, prejudicando assim a instrução dos processos penais. Segundo o juiz auxiliar da Presidência do TJ, Seráphico Nóbrega, a medida implica em menos despesas e riscos no transporte de presos. Ferramenta Titular da Vara Criminal de João Câmara, a juíza Nivalda Toquarto foi designada para atuação na Execução Penal em Nísia Floresta desde janeiro deste ano. A magistrada ressalta a dificuldade, no Estado, para realização das audiências criminais quando há a necessidade de comparecimento de réu preso. Ela relata que o problema se agrava na Penitenciária de Alcaçuz, diante da quantidade de custodiados ali e no Presídio Rogério Coutinho. Diante dessa situação, os próprios juízes e promotores estavam se destinando para a penitenciária para a realização das audiências, de forma a não prejudicar os processos. Contudo, a instabilidade da segurança no local, incluindo as ameaças de rebeliões, tem prejudicado esse procedimento. Com o sistema de videoconferência, essas dificuldades deverão ser superadas. Outra questão lembrada pela juíza Nivalda Torquato é que a videoconferência deverá facilitar as audiências entre os presos de Alcaçuz e juízes de outras comarcas (muitos dos presos têm seus processos oriundos em outras comarcas). Atualmente, essas situações são resolvidas por meio de cartas precatórias – quando um juízo solicita a realização de diligências e atos processuais, em um local onde não possua jurisdição, a outro juízo – havendo diversas solicitações de cumprimento de precatórias pela comarca de Nísia Floresta. A expectativa da magistrada é de quando o sistema for expandido, qualquer juiz no país poderá ouvir os presos em Alcaçuz por meio da videoconferência. Além das audiências criminais, o sistema de videoconferência passará a atender também as audiências de justificação, situação na qual o apenado é acusado de falta grave ou há um incidente de regressão da pena. As audiências de justificação servem para que o preso possa se defender no curso do procedimento administrativo. Segundo a magistrada, a média atual é de 30 a 40 audiências de justificação em Alcaçuz. Piloto Após Alcaçuz, o sistema de videoconferência deverá ser implantado também na Cadeia Pública de Natal, no Complexo Penal João Chaves e na Penitenciária de Parnamirim, interligando-os aos fóruns da comarca de Natal. Dessa forma, a realização das videoconferências evitará os conflitos de deslocamento, garantindo mais segurança e eficiência na realização de audiências. A área penal é a primeira a receber o projeto de videoconferências. Futuramente, o sistema também deve ser utilizado para orientar situações relacionadas à Infância e Juventude e servindo também para atender à Presidência e à Corregedoria. Com informações do TJ-RN – See more at: http://jurinews.com.br/tj-rn-inicia-audiencias-criminais-em-alcacuz-com-sistema-de-videoconferencia#sthash.YQmGSBzl.dpuf

Related Posts

Deixe um comentário..